sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Carlos Castro VS Renato Seabra


Com o devido respeito a todos os familiares de ambas as partes, não posso deixar de comentar tamanha tragédia, isto porque somos bombardeados diariamente por esta horrível situação.
Se os média, e certas pessoas de programas de entretenimento da nossa televisão, parassem um pouco com este lavar de roupa suja, onde se fala da vida alheia, e deixassem a família do Sr. Carlos Castro fazer o seu luto em paz e os familiares do menino Renato, tentarem lidar com esta situação extremamente delicada, pois o seu filho não morreu mas é o mesmo, porque está preso no outro lado do Oceano, e provavelmente por muitos e muitos anos.
Assim, com tanta “fantochada”, hipocrisia da nossa televisão e revistas, tenho que falar.
Engraçado, tantas eram as pessoas que não gostavam do Sr. Carlos Castro pelas suas crónicas de mal dizer e agora essas mesmas pessoas vão para a televisão dizer que ele era um querido, enfim.
Ninguém tem direito de tirar a vida a ninguém, a vida tem que se extinguir por si mesma. O acto grotesco de Renato não merece pena, mas o Renato merece, visto ser um jovem no inicio da sua vida e num momento de desespero, de contrariedades viu-se perdido, e assim é condenado por tudo e todos como se fosse um Serial Killer, e não o é. Não se esqueçam que este homicídio não foi premeditado.
Perdeu a cabeça como miúdo que é, pois ainda não tinha maturidade suficiente para gerir os seus sentimentos e a sua revolta emocional transtornou-o de tal forma que cometeu este crime.
Depois dizem, ele foi para a cama com o Sr. Carlos Castro porque quis, não foi obrigado a nada.
Têm razão, mas fazer sexo todos fazem até criancinhas “brincam” umas com as outras, e não é isso que as torna emocionalmente adultas e maduras.
Parece-nos um crime horrendo devido ao acto em si e à maldita hora que Renato se perdeu a fazer o que fez ao Sr. Carlos Castro. Mas se pensarmos um pouco, é sabido que os jovens perdem a cabeça muito facilmente, por isso andam à tareia por qualquer coisinha e por aí a fora. Mas o que levou a Renato a fazer o que fez? A pressão de um homem bastante mais velho que ele, que devido ao seu estado de saúde e de idade deveria ter tido mais sensibilidade e juízo com a situação em que estava metido. O Sr. Carlos Castro colocou-se numa situação como muitas pessoas o fazem, uns têm sorte, outros não, e infelizmente para o Sr. Carlos Casto não a teve.
O Renato chegou a um ponto que não aguentou mais pressão deste relacionamento, seja a razão qual foi que o colocou nela, e como miúdo que é, ainda não tinha meios nem sabia como se proteger e sair dela, e bastou infelizmente um momento em que houve mais uma discussão entre ambos, mais acesa ou não, só ambos o sabem, para o rapaz explodir, e acredito que ele no momento não estava a ter a noção, consciência de nada e fez o que fez até o seu corpo se cansar. E agora acredito piamente que se encontra consciente e não sabe como lidar, nem acreditar no que fez.
O mistério da mente Humana, que tantas vezes nos leva a cometer actos tão cruéis que a seguir nem acreditamos que os fizemos.
Existem aqui dois culpados e duas vítimas:
Renato culpado pelo assassinato, violência tem que ser condenada. Renato vítima do assédio, promessas e pressão de um homem que tinha idade para ser seu avô.
Sr. Carlos Castro culpado por ter “enjaulado um rapaz” da sua vida real e ter utilizado a sua sabedoria, devido à sua idade, para ludibriar o Renato, outro tipo de violência também condenável. Sr. Carlos Castro vítima de assassinato.
É uma vergonha andarem a falar mais sobre esta tragédia todos os dias. BASTA!!!
Já basta hoje em dia vivermos nossa vida, o que não é fácil, e chegarmos a casa e somos assombrados por esta infindável história, bastante dramática, já o sabemos.
Agora o tribunal irá determinar o fim desta triste história e parem de lutar pelas audiências, descrevendo o acto de Renato, as cremações, o estado do corpo na autópsia, etc. Não se esqueçam que existem muitas crianças e pessoas muito sensíveis a assistirem a isto.
“Quem está no convento é que sabe o que vai lá dentro.”