terça-feira, 9 de agosto de 2011

Fumar até pode fazer bem!

Paredes aquelas que me agarraram para não cair.
Me abraçaram como se da minha alma se apoderavam.
Devoram-me silenciosamente ao som do meu prazer. 
Sem protecção fiquei, entregue às suas mãos, deliciosamente fortes, com um toque tão macio que jamais senti. Três anos foram o seu desafio.

Tudo por que me encostei a elas, a fumar um cigarro com uma certa maldade.
(minha autoria)