domingo, 24 de março de 2013

Uma Passagem de Ano

Estou encantada com os risos, as gargalhadas que se soltam à mesa.
A animação vai crescendo à medida que as amizades se abraçam.
É divinal escutar as crianças gritando de alegria à medida que as horas vão passando. Está garantida a meia noite com beijos, alegria e algumas lágrimas de saudades de alguém que não está ao nosso lado. Mais uma vez essa hora vai marcar o nosso futuro para o seguinte ano. Tudo passa pela nossa cabeça, tudo... Desde o nosso inicio até agora, até este momento, que é tão pequeno mas que nos marcará para sempre. Aqui ninguém sabe o que sinto, pudera até eu tenho dificuldade em saber o que sinto, mas vou tentar... Sinto frio e medo de acabar assim, sem nada para dar ou nunca voltar a sentir o que já senti em outros tempos, tempos de plena felicidade que bastava um sorriso para voltar a respirar. Ninguém entende o que eu quero ou o que desejo, mas não escaparei a mais uma passagem de ano.
Está perto, já se oferecem as passas e o champanhe já se serve, todos sorriem, também eu, pois o próximo ano será muito melhor que este. Tento manter uma postura firme, alegre e orientada, para que não saibam que desabo por dentro, ou pior, que já desabei, a minha alma rasteja para fora do meu corpo pois tem medo de ali estar, a alegria dos outros magoa-me. Porque não a sinto? Pára de pensar... deixa fluir... entra na onda e pensa em sorrir. As doze badaladas estão a dar na RTP1, o meu coração que estava parado desatou a saltar, a bater com tanta força que empurram uns soluços para fora de mim, apresso-me a comer as passas para enganar quem me possa estar a observar... Estamos a 1.01.2013, já cá estamos, como disse desta passagem de ano não me livrava. Olhámos, por segundos, uns para os outros com a espectativa de um ano melhor e inicia-se o ritual dos beijos, abraços, os desejos de um ano melhor para todos, os sms, os telefonemas, a correria para tentar desejar a todos UM FELIZ ANO NOVO. Continuo sempre a conter a lágrima, porque doi demasiado a sua ausência, agora posso libertá-la, esta lágrima que escorre desde que o fogo de artificio começou, enquanto olhamos para o céu. O brilho é intenso e até me acalma, foi delicioso. Desejo com toda a força deste universo que estivesses ao meu lado...Está quase findo, o que eu tanto receava, não necessitava mais me esconder pois o sono me chegava, encosto-me no sofá enquanto te espero ao som de umas músicas calmas, embalo-me e adormeço.
Obrigada meus amigos, gostei muito, mas foi isto que senti. 
Meu amigo, perguntas-te o que escrevia, aqui está.
Não estou habituada a ter mais do que mereço. Obrigada